Archive for ‘Uncategorized’

4 de março de 2012

Organização financeira. Seja um multiplicador.

 

Nem sempre lidamos muito bem quando o assunto são os aspectos financeiros.

De acordo com o Banco Central, o comprometimento da renda dos brasileiros com dívidas está no maior nível dos últimos seis anos. São contas parceladas, financiamentos, o pagamento do cartão de crédito.

Como fazer para pagar as contas e ainda economizar uma parte do que a gente ganha? Essa difícil matemática, tão lembrada mensalmente, é o que leva os alunos a frequentar escolas de educação financeira. Isso mesmo, escolas que ensinam como gerir os investimentos.

No Rio de Janeiro, mantidas pelo Fundo de Previdência Social do Estado, duas mil pessoas procuraram ajuda nos últimos seis meses nessas escolas. Os mestres tem lista de espera para quem já está no vermelho e precisa aprender a não gastar mais do que ganha. Para os casos mais complicados, tem até consultoria individual, uma espécie de tratamento especializado para quem se endividou demais.

Seria muito bom discutirmos o assunto com os nossos, os de casa. Que tal convidar nossos filhos a, desde cedo, se educarem e fazerem de seus gastos, investimentos. Também seria interessante que se o primeiro passo não for dado pelos pais, que os filhos suscitem o assunto e trabalhem para usufruir melhor sobre o resultado de um planejamento.

Abaixo, Planilha de Orçamento Pessoal desenvolvimento peça Bovespa. Talvez ajude nesse início.

Planilha Orçamento Pessoal – Bovespa

Nunca é tarde para se organizar. Compartilhe. Bom desenvolvimento.

 

Gildeon Mendonça da Costa

GMC

Anúncios
14 de fevereiro de 2012

Fé em ação – Aprendendo a ser exemplo. #RetiroPB12

Tão rápido foram os acontecimentos nesse ano!

Temos tanto o que agradecer, a cantar, a falar sobre conflitos, soluções e maravilhas que presenciamos na rotina do dia. Diante de todas as coisas, podemos expressar que estamos de pé pela oportunidade que alguém teve lá atrás e, hoje, sua experiência serve de exemplo para nós (para mim!). As lembranças são inevitáveis algumas vezes, pois de nenhuma ação, saímos sem ser, de alguma forma, marcados…

Poderíamos falar de Daniel, rapaz íntegro, que olhou para frente, pois refletia sobre suas convicções e sabia de quem poderia esperar algo. Homem muito sábio também foi Abraão ao oferecer o seu melhor para o Deus a quem servia. No Moriá, ele foi marcado de uma forma singular. De igual modo, Jó sabia que tudo que possuía, um dia já havia estado nas mãos do Senhor, por isso exaltava a Deus em meio aos desalentos apregoado pelos seus “amigos”. E o que falar sobre Paulo? Tito? Estêvão? E João, com suas palavras de amor. Todos foram marcados de alguma forma para o seu próprio bem e maturidade das gerações posteriores.

Nos próximos dias (18 a 21/02), estaremos com todos os jovens da Igreja Evangélica Assembléia de Deus – Congregação Presidente Bandeira – Setor 01, em um retiro espiritual cujo tema é Fé em ação: aprendendo a ser exemplo.

A praia de Camurupim, lugar onde nos reuniremos, também nos deixará marcas, como os exemplos citados anteriormente. Assim, como Daniel, Abraão e Jó buscaram a intimidade com o Eterno e conseguiram virtude, temos certeza que Deus está a disposição para marcar os dias que vivemos e viveremos. Que essas marcas possam nos seguir no pensar e no nosso agir, seja meia noite ou meio dia. Seja na presença de reis ou de pequenos.

Nosso referenciais servem de parâmetro para também querermos ser exemplos de cristãos seguros na rocha que não se abala, na esperança de dias melhores e na certeza da existência de moradas no céu.

Agindo assim”quando aquele grande dia chegar, vou dizer: Senhor valeu a pena”! http://www.youtube.com/watch?v=TXN-dY3NR3A Esse será nosso hino oficial. Cantaremos que vai valer, está valendo e valeu a pena! Olhar para frente é consolo e segurança.

É tão bom os nossos dias ao lado de pessoas que querem realmente servir a Deus. Jovens maduros que acham lugar seguro na sala daquele que é divino.

Seja bem vindo! Vamos fazer o #RetiroPB12 juntos.

Veja a lista do que você não pode esquecer.

REGULAMENTO 2012

O que não pode faltar na sua mala.

Liderança Dejad PB

31 de outubro de 2011

Aniversário Conjunto Betel em Cidade Alta

Sob o tema “Ele me ama”, baseado na verdade descrita no livro de João cap 3 e verso 16, estaremos ministrando acerca do grande amor de Deus, alvo da busca de nossa felicidade e de onde acreditamos que se pode emergir cura, propósito e salvação.

O Conjunto Betel é composto por novos membros da congregação e os esforços tem sido direcionados para que possamos expressar gratidão e louvor pelas nossas vidas.

No sábado, dia 05, o evento inicia às 19h. O louvor será ministrado pelos conjuntos de novos membros de todas as cinco congregações do Setor 01 (Presidente Bandeira, Lírio dos Vales, Novo Alvorecer, Rosa de Sarom e Passo da Pátria). A ministração da palavra será através do Pb Márcio Ferreira, coordenador do Departamento e Jovens e Adolescentes – DEJAD.

No Domingo, dia 06, ministrará a palavra e o louvor, o Ministério Diante do Rei Jesus logo às 18h.

São sete anos de grandes alegrias e o convidamos para sermos gratos e fazermos uma grande festa para o nosso Deus.

Segue endereço da Assembléia de Deus em Cidade Alta: http://www.guiamais.com.br/local/igreja+evangelica+assembleia+de+deus-igrejas+templos+e+instituicoes+religiosas-natal-rn-13293388-2

Você é nosso convidado!

7 de abril de 2011

Paciência, de Lenine

Analise a letra e não se prenda a meros conceitos quando estiver fazendo isso.

Vamos além. Podemos fazer isso!

“A vida é tão rara”

 

6 de abril de 2011

Para quem a saudade toca

Escrevo algumas frases (misturando, por vezes, o nós e o eu) elaboradas e pensadas em nossas vivências. Não poderia deixar de expressar algo à quem muito me alegra, em quem penso nos meus dias, em você que me faz bem.

Um abraço é algo tão singular que nos motiva a buscá-lo, a esperá-lo, a repetí-lo.

Há dias de sol, de inverno, de flores e de desfolhagem. Nas 24 horas de todos eles, os dias se tornam tão iguais e tão diferentes ao mesmo tempo, que a companhia de um alguém que nos traga algo singular preenche os espaços vazios que a correria do trabalho, que as grandes tarefas de nossos estudos e outras questões mais nos deixaram despercebidos de preencher.

Em quais braços, haverá maior probabilidade de se encontrar sinceridade e certeza de pureza? Homem, mulher, criança, família, amigos?

Como é difícil começar algo, sem saber como será o seu fim. Mas o que se pode fazer, todo processo é assim! Pelo menos a garantias em algumas linhas de raciocínio de que o fim das coisas é melhor do que o princípio delas.

Se quisermos ter braços verdadeiros, teremos de correr o risco de cair em braços falsos. Se desejarmos possuir carinho, teremos que acompanhar e trabalhar para que os que estão do nosso lado não sejam aqueles que nos trará dor. Mas quem trará dor se não for “de perto”? Os de longe são de longe, estão distantes, mesmo perto.

Entendo que precisamos batalhar para não sentir dor. Eis um dilema apresentado. Da mesma forma que possuo os meus cuidados, as pessoas em quem busco também possuem o mesmo receio, a mesma dificuldade, o mesmo desejo e a mesma necessidade. Nós avaliamos e somos avaliados. Enxergamos falhas e elas também são vistas em nós. Como proceder? Diz alguns acordes que os dias são verdes, vermelhos, azuis, frios, quentes, cheios, vazios… Depende unicamente dos olhos. Depende se nós conseguimos enxergar o que é real ou se nos acostumamos a ver o que queremos, tão somente.

Acompanhe trechos bastante explorados sobre o sentimento amor:

Amor é um fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?  (Luis de Camões)

I Coríntios 13

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.

E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.

E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.

O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.

Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;

Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;

Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;

Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;

Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.

Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.

Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.

Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.

Certo dia de inspiração, escrevi palavras em melodias para alguém:

Bom poder confiar / no teu amor que me faz / tão bem me faz conhecer-te mais

Eu quero te conhecer / me aproximar de você /philos assim, eu não encontrei

Mais precioso que bens / te sinto forte em mim / vou te levar comigo além do fim

Faço a oração que Paulo fez e Efésios 3:

14 Por causa disso, me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo,

15 do qual toda a família nos céus e na terra toma o nome,

16 para que, segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais corroborados com poder pelo seu Espírito no homem interior;

17 para que Cristo habite, pela fé, no vosso coração; a fim de, estando arraigados e fundados em amor,

18 poderdes perfeitamente compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade

19 e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus.

20 Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera,

21 a esse glória na igreja, por Jesus Cristo, em todas as gerações, para todo o sempre. Amém!

Sentimos algo bom quando perto de quem gostamos. É amor! Pai, mãe, irmãos, cônjuge, amigos…

Se hoje você me permitisse se achegar, não teria melhor ação a lhe presentear do que braços que trabalham em verdade, que trabalham com objetivo de alegrar e de se alegrar. Lhe afirmaria que a caridade nunca morre e que ela cobre todos os aparentes defeitos. Ela me permite ser amado, mesmo sabendo quem sou. Nesse encontro, lhe diria que não sei se sei ser amigo, mas que estou disposto a aprender. Sem se importar com formalidades, lhe daria um forte abraço, e amorteceria minhas expectativas e angústias em seus ombros de verdade.

Saudades de você que tem braços leais, saudade de quem está distante, apesar de meus olhos contemplarem, saudade de quem se foi sem data pra voltar, saudade de quem saiu à pouco de minha companhia.

Os risos, os contratempos, os pedidos de socorro, as músicas compostas e as parodiadas, sou saudoso de todo o pacote. Como é bom sentir saudade, pois me faz valorizar o sentimento de pertença e me faz sentir vontade de compartilhar com outros. Fazer novos e conservar os de sempre. Parabéns pelo dia. Felicidades eternas. Boas escolhas. Quem sabe nossa história passe a ter rima e melodia! Saudades de você.

28 de março de 2011

Dicas para bom uso do e-mail corporativo

 

Diariamente, trabalhadores de todo o mundo lidam com uma ferramenta importantíssima no mundo do trabalho: o e-mail. Por mais simples que pareça, a troca de mensagens virtuais no ambiente corporativo ainda gera algumas dúvidas entre funcionários e superiores. Pensando nisso, o Blog da ABRH apurou algumas dicas para o bom uso do e-mail no trabalho. Confira:

Seja responsável

Em primeiro lugar, é preciso ter em mente que e-mails são documentos juridicamente válidos e podem sempre depor contra ou a favor de alguma pessoa. Por isso, pense bem antes de escrever bobagens. Use o e-mail com consciência.

Você é a imagem da empresa

Quando você envia uma mensagem de trabalho, você se torna um porta-voz da empresa. Ou seja, a imagem que as pessoas têm da organização para a qual você trabalha é a sua imagem. Não use termos pejorativos, gírias e frases coloquiais demais. Cuidado com a informalidade. Seriedade e comprometimento têm que partir da postura de qualquer profissional.

Erros de português

Erros de português são inaceitáveis na redação de e-mails corporativos. Conforme falamos acima, você é o representante da empresa e não pode se comprometer por conta de uma distração qualquer. Para evitá-la, leia e releia o que escreveu antes de enviar a mensagem. Com certeza você encontrará frases mal escritas, palavras que não se encaixam e, até mesmo, erros de digitação. Isso é normal e acontece por conta da correria do dia-a-dia. Aproveite essa revisão para corrigir tudo o que encontrar. Esse é um sinal de que, mais do que preocupado com a mensagem, o profissional respeita aquele que irá ler o conteúdo.

Conteúdo indevido

Receber e-mails com piadas, fotos, vídeos, correntes… tudo isso já é muito chato quando acontece nos endereços pessoais, imagine no e-mail do trabalho? Lembre-se que o seu e-mail é mais um espaço de relacionamento profissional. Logo, o funcionário deve usar seu tempo para as tarefas diárias, sem desperdiçá-lo com assuntos desnecessários. Guarde os emoticons, desenhos e caracteres criativos para o e-mail pessoal.

Diminua o risco de má interpretação

Use frases curtas, objetivas, simples e de fácil compreensão. Evite palavras e frases que possam sugerir duplo sentido. Tome cuidado especial com o tom da mensagem a ser enviada. É importante ir direto ao ponto, mas sem ser agressivo. Seja simpático e educado. Nunca é demais.

Cuidado com o campo “para”

Algumas configurações de programas de e-mail possuem uma ferramenta que completa automaticamente o endereço de e-mail do destinatário quando o remetente digita os caracteres iniciais. Muito cuidado. Olhe atentamente este campo para que a mensagem não seja remetida a alguém que não tem nada a ver com o assunto. Previna-se de um constrangimento desnecessário.

Envio de CVs

Nunca, em hipótese alguma, envie seu currículo ou candidatura para uma vaga por meio do e-mail corporativo. Não é bacana para quem envia e muito menos para quem recebe. Demonstra total falta de respeito pela organização para a qual o profissional trabalha. Automaticamente, quem recebe pode pensar que sua atitude pode se repetir no futuro ao ser contratado pela nova empresa. Não se queime no mercado por pouco.

Essas pequenas dicas são básicas, mas devem ser observadas por qualquer empregado. Mais uma vez, lembre-se que você pode responder juridicamente por tudo o que você escreve no seu e-mail. Não vacile!

 

Por Raissa Coppola no http://abrhnacional.org

 

 

27 de março de 2011

As universidades precisam formar sábios

A reitora de Harvard diz que instituições devem resolver questões práticas, mas não podem ignorar a marca do próprio DNA: produzir conhecimento

Primeira mulher a ocupar o posto de reitora da Universidade Harvard, considerada a melhor do mundo em vários campos de pesquisa, a historiadora americana Drew Gilpin Faust é constantemente instada a fazer com que a instituição que dirige apresente soluções práticas para todos os males que afligem o planeta – do desemprego ao aquecimento global. Harvard não se furta a abordar esses problemas. Mas a reitora faz um alerta. A demanda por respostas instantâneas não pode afastar as instituições de ensino superior de uma missão mais elevada: a produção de conhecimento puro, aquele cuja aplicação muitas vezes não se faz de forma imediata. “A sociedade nos pede soluções. Mas a universidade não deve se preocupar apenas com o bem estar imediato dos seres humanos, precisa fazer também com que eles sejam sábios”, diz.  A acadêmica esteve no Brasil nesta semana para discutir parcerias com universidades locais. “As instituições brasileiras e americanas têm muito o que aprender umas com as outras”, afirma. Na entrevista a seguir, ela explica como Harvard mantém a excelência em ensino e pesquisa, como seleciona seus talentos entre milhares de estudantes e conta como o cargo de reitora alterou sua vida pessoal.

Esta é sua primeira visita ao Brasil e a universidades brasileiras, com as quais a senhora discute parcerias. O que Harvard, considerada a melhor universidade do mundo, pode fazer por nossas universidades? Vejo nossa relação como uma parceria. O Brasil é uma das economias mais dinâmicas do mundo, tem crescido muito rapidamente e, ao mesmo tempo, enfrenta desafios em áreas pelas quais nos interessamos, como meio ambiente. As instituições brasileiras e americanas têm muito o que aprender umas com as outras.

Segundo João Grandino Rodas, reitor da Universidade de São Paulo, a mais prestigiada instituição do país, o ensino superior local se encontra na mesma situação que o americano há cem anos. O que as universidades brasileiras têm a oferecer a Harvard? O Brasil tem ótimos pesquisadores e estudantes com perspectivas diferentes daquelas a que estamos habituados. Temos muito o que aprender com essa diferença.

Harvard recebeu mais de 30.000 inscrições de estudantes ano passado, para preencher cerca de 1.600 vagas. Como escolher os melhores? É preciso ir atrás deles? Sim. Nossos escritórios de admissão visitam escolas dentro e fora dos Estados Unidos para falar sobre Harvard e sobre nosso generoso programa de ajuda de custo. Esse esclarecimento é importante porque a tendência é que o estudante pense que Harvard jamais se interessará por ele ou que ele jamais conseguirá pagar integralmente seus estudos. Por isso, vamos aos estudantes mostrar quem somos, como selecionamos nossos alunos e que apoiamos aqueles oriundos de famílias modestas.

No Brasil, a seleção de alunos é feita a partir de uma única prova. Ao contrário dos Estados Unidos, aqui, não são levados em conta o desempenho dos estudantes no ensino médio ou demais aptidões ou projetos. O sistema brasileiro de seleção prejudica a eficiência de nossas universidades? Eu não ousaria julgar o processo seletivo das universidades brasileiras, mas posso explicar como fazemos em Harvard. Nosso sistema de seleção também está baseado em exames de qualificação, como o SAT (Scholastic Assessment Test, espécie de ENEM nos E.U.A) – parêntese colocado pelo Blog do Gildeon. Além disso, avaliamos ensaios que os candidatos nos enviam. Eles servem para avaliar a escrita e as ideias de cada jovem. Também estamos interessados no histórico escolar do aluno, em como ele evoluiu ao longo do ensino médio, e nas atividades extra-curriculares. É importante mostrar liderança, caráter e diversidade de interesses. A convivência no campus é algo muito valorizado e saber que cada estudante vai contribuir de forma enriquecedora é uma força que nos motiva na hora de selecionar nossos estudantes.

Uma pergunta simples: o que faz de Harvard a melhor universidade do mundo? Além de Harvard ter uma longa tradição de excelência, nos preocupamos em atrair os melhores talentos. E acredito que isso seja parte significativa do que leva Harvard ocupar e sustentar essa posição de liderança. As pessoas sabem que ali é um lugar que nutre talentos e excelência, e todos querem fazer parte disso. Também fomos, ao longo dos anos, recebendo a ajuda generosa de famílias, apoiadores e ex- alunos, pessoas que continuam a contribuir com Harvard mesmo depois de terem deixado a universidade. Essa ajuda é muito importante para nós.

O caráter multinacional do campus, com pessoas de diversos países e culturas, contribui para a inovação e excelência? Certamente. Durante minha estadia aqui em São Paulo, conversei com brasileiros que estudaram em Harvard. Eles me falaram sobre esse caráter multinacional e sobre como isso torna animador o ambiente. Somados todos os níveis de graduação, Harvard conta hoje com de 20% de estrangeiros. Isso torna constante o processo de descoberta. Os estudantes vão buscar no mapa onde seus companheiros vivem, começam a se preocupar com o que está acontecendo no mundo e aguçam suas curiosidades por outras culturas. Também incentivamos nossos estudantes a embarcar em experiências fora dos Estados Unidos enquanto estão cursando a graduação.

Drew Faust (ao centro) encontra estudantes brasileiros durante sua passagem por São Paulo

 

Em artigo recente para o jornal The New York Times, a senhora afirma que as universidades vivem uma crise de propósitos. Poderia explicar essa ideia? Um debate frequente de nossos dias é acerca de como as universidades podem contribuir com as necessidades mais imediatas da sociedade. Algumas delas são necessidades econômicas, e os estudantes vão às universidades de forma a serem treinados e qualificados para futuros empregos. Outras são descobertas e inovações e outros tipos de intervenções que podem ter um efeito imediato no mundo, como a cura de uma doença. Mas as universidades têm outros propósitos, que são de longo prazo e que são mais difíceis de mensurar, mas que são extremamente importantes para todos nós. No encontro que tive com os reitores brasileiros, ouvi uma frase que resume esse pensamento: a sociedade nos pede soluções para problemas práticos. Mas a universidade não deve se preocupar apenas com o bem estar imediato dos seres humanos, precisa fazer também com que eles sejam sábios. As universidades têm esse propósito humano, histórico, antropológico, que nos faz transcender o momento presente. Não nos preocupamos apenas se nossos alunos terão emprego amanhã. Precisamos garantir que eles tenham conhecimento.

Os Estados Unidos e o mundo enfrentam grandes desafios, como superar a crise econômica, combater o aquecimento global, garantir o suprimento de energia, entre outros. Como as universidades, do Brasil e dos Estados Unidos, podem ajudar seus cidadãos? As respostas para esses problemas estão relacionadas ao conhecimento. Portanto, as pesquisas e a educação que as universidades oferecem têm um grande impacto. No ano passado, eu estava em Botsuana e um dos cientistas desenvolveu uma técnica para bloquear a transmissão do vírus da HIV da mãe para o bebê. Foi muito comovente ver como o conhecimento e a pesquisa fizeram uma enorme diferença na vida daquelas crianças. Exemplos como esse mostram como as pesquisas realizadas nas universidades podem realmente fazer a diferença no combate a problemas mundiais.

A crise econômica americana afetou as finanças de Harvard? O que foi feito para superar isso? Com a crise, uma das nossas maiores fontes de renda – as doações vindas de ex-alunos e outros doadores – foi severamente reduzida. Responsável pelo pagamento de 35% das nossas despesas operacionais, as doações sofreram uma queda de 27,5%. Diante desse cenário, tivemos que reduzir nossos gastos, cortando imediatamente custos que identificamos como desnecessários. Em um segundo momento, começamos a identificar mudanças de longo prazo. Fizemos uma análise sistemática da maneira como estamos organizados e buscamos formas de poupar despesas. Ao mesmo tempo, tomamos muito cuidado para identificar prioridades, cuja manutenção deveria ser assegurada. Uma delas é a ajuda financeira que damos aos nossos estudantes. Protegemos áreas como essas, que julgamos vitais para a universidade.

A senhora é a primeira mulher reitora de Harvard. Quais os efeitos disso entre as mulheres, dentro e fora da universidade? Acredito que esse cargo tem uma simbologia muito forte. Quando fui nomeada, recebi muitas cartas e e-mails, particularmente de jovens mulheres, que me diziam que fazia diferença para elas saber que uma mulher podia ocupar o cargo. Lembro-me de ter recebido uma carta de um pai que dizia: “Agora, sei que minha filha pode fazer qualquer coisa.”

A senhora é uma pesquisadora, especialista na história da Guerra Civil americana, além de mãe de duas filhas. O cargo de reitora de uma das mais prestigiadas universidades do mundo certamente alterou sua rotina, não? Sim, mudou bastante. Ao menos não precisei contratar uma babá, porque minhas filhas já estão crescidas! Mas meu trabalho atualmente me ocupa integralmente. Vivo em uma casa dentro do campus e, a todo minuto, sinto que a universidade está presente na minha vida. Harvard está sempre no meu pensamento e também está nas minhas atividades. Então, minha vida é completamente diferente hoje.

 

Entrevista com Drew Faust visualizada na @Veja na aba Educação, conforme link http://veja.abril.com.br/noticia/educacao/precisamos-formar-sabios

4 de março de 2011

8 de março – Dia da Mulher

Conversa entre pai e filho, por volta do ano de 2031, sobre como as mulheres dominaram o mundo.
– Foi assim que tudo aconteceu, meu filho… Elas planejaram o negócio discretamente, para que não notássemos. Primeiro elas pediram igualdade entre os sexos. Os homens, bobos, nem deram muita bola para isso na ocasião. Parecia brincadeira. Pouco a pouco, elas conquistaram cargos estratégicos: Diretoras de Orçamento, Empresárias, Chefes de Gabinete, Gerentes disso ou daquilo.
– E aí, papai?
– Ah, os homens foram muito ingênuos. Enquanto elas conversavam ao telefone durante horas a fio, eles pensavam que o assunto fosse telenovela. Triste engano. De fato, era a rebelião se expandindo nos inocentes intervalos comerciais. “Oi querida!”, por exemplo, era a senha que identificava as líderes. “Celulite” eram as células que formavam a organização. Quando queriam se referir aos maridos, diziam “O regime”.
– E vocês? Não perceberam nada?
– Ficávamos jogando futebol no clube, despreocupados. E o que é pior: continuávamos a ajudá-las quando pediam. Carregar malas no aeroporto, consertar torneiras, abrir potes de azeitona, ceder a vez nos naufrágios. Essas coisas de homem.
– Aí, veio o golpe mundial?!
– Sim o golpe. O estopim foi o episódio Hillary-Mônica. Uma farsa. Tudo armado para desmoralizar o homem mais poderoso do mundo. Pegaram-no pelo ponto fraco, coitado. Já lhe contei, né? A esposa e a amante, que na TV posavam de rivais eram, no fundo, cúmplices de uma trama diabólica. Pobre Presidente…
– Como era mesmo o nome dele?
– William, acho. Tinha um apelido, mas esqueci… Desculpe, filho, já faz tanto tempo…
– Tudo bem, papai. Não tem importância. Continue…
– Naquela manhã a Casa Branca apareceu pintada de cor-de-rosa. Era o sinal que as mulheres do mundo inteiro aguardavam. A rebelião tinha sido vitoriosa! Então elas assumiram o poder em todo o planeta. Aquela torre do relógio em Londres chamava-se Big-Ben, e não Big-Betty, como agora… Só os homens disputavam a Copa do Mundo, sabia? Dia de desfile de moda não era feriado. Essa Secretária Geral da ONU era uma simples cantora. Depois trocou o nome, de Madonna para Mandona…
– Pai, conta mais…
– Bem filho… O resto você já sabe. Instituíram o Robô “Troca-Pneu” como equipamento obrigatório de todos os carros… A Lei do Já-Prá-Casa, proibindo os homens de tomar cerveja depois do trabalho… E, é claro, a famigerada semana da TPM, uma vez por mês…
– TPM ???
– Sim, TPM… A Temporada Provável de Mísseis… É quando elas ficam irritadíssimas e o mundo corre perigo de confronto nuclear…
– Sinto um frio na barriga só de pensar, pai…
-Hehehheh! Escutei barulho de carro chegando. Disfarça e continua picando essas batatas…

(Luís Fernando Veríssimo)

28 de fevereiro de 2011

Pela paz no Egito

Oi gente!

Abaixo, carta de Ramez Atallah Secretário-Geral da Sociedade Bíblica do Egito. Leia com atenção!

Muitas são as informações que nos chegam sobre a aflição assolada entre os egípcios. Apresentemos petições pelo pleito de paz à Deus, que pode direcionar os passos das autoridades e da população daquele país.

“A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos”. Tiago 5:16 b

 

Caros e preocupados amigos,


Tenho certeza de que vocês têm acompanhando as notícias e estão conscientes dos problemas, dos tumultos e das tensões no Egito e em vários outros países desta parte do mundo. Eu não vou tentar analisar a situação, que está mudando a cada hora. A afirmação feita em um dia pode já tornar-se obsoleta no próximo!  Mas queremos que saibam que ficamos gratos pelas contínuas mostras de amor, pela preocupação e pelas orações feitas por este país.


Toda a equipe da Sociedade Bíblica está segura e as nossas propriedades estão intactas, sem dano algum. Apesar do tumulto geral, da incerteza, do medo, da raiva e de muitas outras emoções e situações, nós, enquanto cristãos, de nenhuma forma estamos sendo alvo ou ameaçados.

Depois que a polícia se ausentou das ruas do Cairo, do fogo ateado às delegacias e da fuga de milhares de prisioneiros, alguns se aproveitaram do caos para saquear e roubar. Sem contar com a proteção policial, os cidadãos, tanto os cristãos quanto os muçulmanos, estão se organizando em turnos para proteger seus bairros e bens durante a noite. Ao anoitecer, quando se aproxima o toque de recolher, barris, sacos e caixotes são posicionados em barricadas. Todos os carros são parados e as pessoas, interrogadas por homens armados com bastões, paus, pistolas e facas… Isso, porém, deu à maioria um sentimento real de segurança e de boa vontade!  Mas isso foi ontem. Provavelmente, a situação piore à medida que os civis tomem a lei pelas próprias mãos.

Expatriados são evacuados. Os bancos e o mercado de ações estão fechados. Os preços começaram a subir. A comida, os remédios e outros suprimentos estão diminuindo, já que a maioria das fábricas e das empresas estão fechadas após a onda de vandalismo da semana passada e do toque de recolher diário, que se estende das três da tarde às oito horas da manhã. Mesmo enquanto escrevo, estão acontecendo sangrentos confrontos entre civis egípcios na principal rotatória do centro…

POR FAVOR, OREM

a) Orem para que a situação volte ao controle muito rapidamente e com urgência. Há perdas massivas a cada minuto. Hoje, o número oficial de feridos, muitos deles graves, é superior a 600 pessoas, com pelo menos oito mortos. O canal de TV oficial anunciou prejuízos financeiros da ordem de 200 bilhões de libras egípcias (USD 36 bilhões) nos últimos oito dias.
b) Orem pelos pobres e miseráveis, os que mais sofrem neste momento.
c) Orem para que os cristãos no Egito (tanto os nativos quanto os expatriados) não fiquem tentados a “correr” quando as coisas ficarem difíceis. Libby Little, cujo marido, Tom, foi assassinado no Afeganistão no ano passado, disse que, durante aquela guerra terrível, ela e suas filhas eram conhecidas como “as pessoas que ficaram”! Lucien Accad, ex-chefe da Sociedade Bíblica do Líbano, permaneceu com sua família durante a perigosa guerra civil, embora todos tivessem passaportes suíços e pudessem ter partido.  Embora muitos estrangeiros estejam sendo obrigados a sair devido a políticas das empresas, nós oramos para que a pouca população cristã do Oriente Médio não diminua ainda mais devido aos atuais acontecimentos.
d) Orem para que a Sociedade Bíblica do Egito pense em formas criativas e adequadas de levar a Palavra de Deus ao povo durante esses tempos difíceis (afinal, grande parte da Escritura foi redigida em contextos de perigo).  Nossos funcionários estão trabalhando de suas casas na elaboração de materiais impressos e de áudio a serem produzidos assim que retornemos ao escritório. A Feira do Livro, que estava marcada para 29 janeiro – 8 fevereiro, foi adiada indefinidamente. As mesas de livros (uma extensão das ofertas da Feira do Livro) e os Domingos da Bíblia foram cancelados em todas as igrejas. Como esta é a temporada de picos de venda,certamente sentiremos o impacto negativo sobre grande parte de nossa distribuição da Bíblia e sobre a renda das vendas e captação de recursos. Por favor, orem conosco enquanto estudamos a melhor maneira de sanar esse hiato no faturamento.
e) Orem por sabedoria para que os líderes políticos e do exército saibam controlar a situação sem recorrer a meios brutais.
f) Orem pela futura liderança do país. Há uma profunda preocupação sobre quem vai governar o Egito. A porta será aberta para todas as ideologias políticas e religiosas, inclusive os extremistas e fundamentalistas.
g) Finalmente, por favor, orem por mim, a fim de que me recupere de um problema súbito de coração (arritmia), que me acometeu na última quarta-feira, forçando-me a passar oito dias na Unidade Coronariana. Ontem foi meu primeiro dia em casa.

OBRIGADO POR SUAS ORAÇÕES, É O QUE MAIS PRECISAMOS!
Com amor, me despeço de todos vocês em nome da equipe da Sociedade Bíblica do Egito.

Ramez Atallah
Secretário-Geral
Sociedade Bíblica do Egito

28 de fevereiro de 2011

Etiqueta profissional para homens e mulheres

 

Vários são os fatores que nos fazem realizar a opção por essa ou aquela peça de roupa: as pessoas que iremos encontrar, o dia, o sol, o vento, o evento…

Quando falamos de ambiente de trabalho, o assunto também requer muita atenção. O nosso comportamento profissional deve ser coerente com o nosso vestuário. Se não for um uniforme obrigatório, segue o que se recomenda para o traje em geral: considerar a idade e o físico da pessoa, combinar com a cor dos seus cabelos e da sua pele. Mas neste caso a roupa de trabalho, sofre ainda mais alguns controles: deve guardar uma certa harmonia de nível entre os empregados no sentido de que algum deles não exceda em luxo aos colegas, e sobretudo ao chefe. Porém, não há medidas para o bom gosto. Este não depende de luxo nem precisa respeitar hierarquias.

A seguir, algumas dicas de como se vestir para ir ao trabalho. Confira:

 

Para elas …

– Saias devem ter o comprimento até o joelho. Não se recomenda mais curto do que isso. Essas peças deixam o ambiente informal demais. Deixe para usá-las em seus momentos de lazer;

– As meias compridas são um acessório importante para a elegância, desde que não sejam espessas e chamem muito a atenção;

– Quanto a jóias e bijuterias é conveniente usar o mínimo em tamanho e quantidade. Brincos discretos e pequenos, cintos não muito largos;

– Evite roupas que são coladas ao corpo, curtas e sem mangas, com decotes grandes ou em tecidos transparentes ou brilhantes; a blusa deve ser opaca o bastante para esconder as costuras de peças íntimas. Decotes nunca são uma boa opção! Prefira camisas pólo e, dependendo da formalidade do seu local de trabalho, camisetas simples. Esqueça a blusa tomara-que-caia;

– Usem o jaleco diretamente sobre o vestido ou blusa, que de preferência, tenha gola;

– A maquiagem deve existir em tom ameno, sem exageros e levando em consideração o conjunto de roupas, acessórios e a realidade da empresa;

– Invista nas calças até a canela ou em bermudas sociais. Shorts devem ser poupados.

 

Para eles…

– O uso de paletó e gravata (com o mínimo de estampa possível) é praticamente obrigatório como paramento da liderança, tanto pública como privada. O modo de vestir-se de uma líder/chefe é sempre conservador. Os ternos são em cores escuras, listados ou não, a camisa branca, raramente azul claro, com punhos simples ou duplos, sapatos clássicos, de laço ou de fivelas, meias escuras e gravatas conservadoras. Tanto no governo quanto em empresas privadas os funcionários do alto escalão de chefia, podem usar blazer, mantendo a gravata. Em qualquer dos casos, a camisa a ser usada com o paletó é sempre de mangas compridas. O punho deve ultrapassar a ponta da manga do paletó, ficando cobertas as abotoaduras ou o botão do punho da camisa;

– Nada de camisas de futebol no trabalho. Por motivos óbvios e até em prol da segurança dos funcionários, a maioria das empresas já proíbe a peça. É melhor evitar;

– O jaleco sobre a camisa de gola com ou sem gravata. Ao sair do ambiente de trabalho, o jaleco ou o guarda-pó deve ser despido, porque não é parte do traje social e sua função é restrita ao local da atividade. Jalecos usados em consultórios, hospitais, laboratórios e oficinas não interferem na vestimenta, exceto por dispensarem o paletó ou o blazer;

– Calças muito baixas devem ser riscadas do visual. Não é bacana ficar com a cueca aparecendo. Invista em modelagens mais tradicionais e cortes retos;

– Os jeans devem ser usados com equilíbrio. Aqueles rasgados, nunca! Profissões para o trabalho no campo, no quintal, ou no jardim e nas oficinas podem fazer uso diário dos bem compostos. Atendimento do público, um atelier de arte e um estúdio de fotografia são lugares que se orienta o uso de peças mais formal;

– Não use chinelos e sandálias abertas. No máximo, torne-se adepto do sapatênis. Se a empresa for mais descontraída, aproveite para tirar do armário aquele tênis (em bom estado) que você tanto gosta;

– Não se usam meias claras ou brancas com sapatos escuros. As meias nunca devem ser de cano curto, pois deixam parte das pernas à vista quando o homem se senta. Sapatos sempre engraxados sem dar chance a alguém de saber de onde o outro vem, pelo barro na sola. Roupas limpas e passadas, sem manchas, rasgos ou falta de botões, é um mandamento básico;
– Sempre que possível, use o desodorante e o perfume de modo a não “brigarem” com o cheio do sabonete e da colônia de barbear;

– Homens também têm que ser “higiênico”, ou seja, dentes escovados, mãos lavadas (sempre muito limpas). Não se esquecer de engraxar os sapatos e os pelos sempre bem cortados (nariz, pescoço, orelha e sobrancelha);

– E por último: Seja sempre elegante, limpo, educado e cortês!

 

Salientamos que as dicas servem apenas como modelo para que você se adeque ao perfil de sua empresa. Cuide bem da sua imagem e muito cuidado com os excessos!

Fonte:

http://abrhnacional.org/

http://www.editora-opcao.com.br/ada360.htm

http://www.cobra.pages.nom.br/bmp-vesttrab.html